Despertando vidas para reino dos céus!


26 de março de 2017

Cuidado com o Pecado - Samuel Ferreira

O pecado é uma fraude. Promete prazer e paga com o desgosto. Faz propaganda de liberdade, mas escraviza. Levanta a bandeira da vida, mas seu salário é a morte. Tem um aroma sedutor, mas ao fim cheira a enxofre. Só os loucos zombam do pecado. O pecado é maligníssimo. Ele é pior do que a pobreza, do que a solidão, do que a doença. Enfim, o pecado é pior do que a própria morte. Esses males todos não podem destruir sua alma nem afastar você de Deus, mas o pecado arruína seu corpo, sua alma e afasta você eternamente de Deus.
O rei Davi mais do que ninguém sentiu na pele e na alma a tragédia do pecado. Destacaremos três fatos dolorosos acerca do pecado e do que aconteceu com Davi.
1. O pecado vai levar você mais longe do que você quer ir: Quando Davi viu Bate-Seba se banhando e a cobiçou, adulterando com ela em seguida, não podia imaginar o fim daquele túnel. Talvez pensasse que seria apenas uma aventura numa tarde de verão. Talvez até tivesse racionalizado e justificado seu ato tresloucado, dizendo que tinha que relaxar um pouco.
Mas, o pecado não é algo passageiro nem superficial. Seus efeitos são profundos e mais duradouros do que você pode imaginar. Davi além de adulterar com Bate-Seba deu outros passos rumo ao abismo. Ele mentiu acerca do seu pecado e mandou matar o marido da sua amante. Ele perdeu a autoridade espiritual sobre sua família. Ele viu sua casa desmoronando diante dos seus olhos.
Ele colheu os amargos frutos da sua maldita semeadura. Muitas pessoas passam a vida inteira chorando por uma decisão errada feita apenas num instante. Pagam um alto preço por uma desobediência. Choram amargamente por tomar uma direção errada na vida. Cuidado com o pecado, pois ele pode levar você mais longe do que você quer ir.
2. O pecado vai reter você mais tempo do que você quer ficar: Davi não calculou o alto custo daquela tarde em que foi dominado pela volúpia e pela paixão. O adultério com Bate-Seba teve desdobramentos dolorosos para Davi, sua família e toda a nação. O pecado de Davi não atingiu apenas a ele e sua geração, mas também a todas as gerações pósteras.
Durante todos os séculos esse pecado tem sido relembrado e a memória de Davi manchada. O fiel pastor de ovelhas, o inspirado compositor, o músico de qualidades superlativas, o líder influenciador, o rei conquistador teve sua biografia maculada por esse grave pecado e seus tenebrosos desdobramentos. O pecado começa tênue como um fiapo de linha, mas depois se torna como as grossas correntes que prendem um navio ao cais. O pecado é como a nascente do Rio Amazonas.
No seu nascedouro, as águas são rasas e até uma criança pode brincar em seu leito, mas depois, com a soma dos muitos afluentes, esse rio se torna um mar instransponível e inadiministrável. Cuidado com o pecado, pois ele pode reter você mais tempo do que você quer ficar.
3. O pecado vai lhe custar mais caro do que você quer pagar: O pecado de Davi lhe custou muito caro. Ele perdeu a intimidade com Deus. Durante um longo período, viveu atrás de máscaras, escondendo o seu pecado e atraindo sobre si o justo juízo de Deus. A mão de Deus pesava sobre ele dia e noite, e o seu vigor se tornou em sequidão de estio. Depois, Davi perdeu sua reputação.
Os ímpios blasfemaram do nome de Deus por causa de sua loucura. Depois Davi perdeu o filho do adultério. A criança morreu a despeito da insistente petição de Davi. Este teve ainda outras perdas. Sua filha Tamar foi desonrada pelo próprio irmão Amnon.
Absalão irmão de Tamar, mandou matar seu próprio irmão Amnon para vingar o que este havia feito com ela. Depois, Absalão rebelou-se e conspirou contra Davi, seu pai, para tirar-lhe a vida e tomar-lhe o reino. E nessa empreitada, Absalão é assassinado por Joabe, comandante do exército de Davi. Tragédias e mais tragédias desabaram sobre a vida de Davi. Jamais ele podia imaginar que o pecado fosse ter um preço tão alto. Cuidado com o pecado, pois ele vai lhe custar mais caro do que você quer pagar.
Seu Pastor, Samuel Ferreira.

25 de março de 2017

VOLTANDO A CASA DE DEUS

Gênesis 13:3 - 7 – “Nas suas jornadas subiu do Negebe para Betel, até o lugar onde outrora estivera a sua tenda, entre Betel e Ai, até o lugar do altar, que dantes ali fizera; e ali invocou Abrão o nome do Senhor. E também Ló, que ia com Abrão, tinha rebanhos, gado e tendas. Ora, a terra não podia sustentá-los, para eles habitarem juntos; porque os seus bens eram muitos; de modo que não podiam habitar juntos. Pelo que houve contenda entre os pastores do gado de Abrão, e os pastores do gado de Ló. E nesse tempo os cananeus e os perizeus habitavam na terra.”
Gênesis 28:13 - 17 – “por cima dela estava o Senhor, que disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra em que estás deitado, eu a darei a ti e à tua descendência; e a tua descendência será como o pó da terra; dilatar-te-ás para o ocidente, para o oriente, para o norte e para o sul; por meio de ti e da tua descendência serão benditas todas as famílias da terra. Eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; pois não te deixarei até que haja cumprido aquilo de que te tenho falado. Ao acordar Jacó do seu sono, disse: Realmente o Senhor está neste lugar; e eu não o sabia. E temeu, e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus.”
Encerramos hoje as ministrações das Riquezas de Abraão, tempo onde sem dúvida alguma fomos marcados pelo Senhor. Recebemos palavras proféticas, tivemos atitudes espirituais e sem dúvida alguma estamos vivendo as grandes bênçãos das Riquezas de Abraão.
Abraão em suas peregrinações pela terra de Canaã volta para Betel, local onde ele já havia estado anteriormente e onde já tinha tido grandes experiências com Deus que o chamara para viver um poderoso mover de prosperidade.
VOLTAR A BETEL REPRESENTA ESTAR NA CASA DE DEUS, E:
· DESLIGAR-SE DOS QUE INVEJAM O QUE É TEU
· DESLIGAR-SE DO QUE TE TROUXE PESO, JUGO
· DESLIGAR-SE DO QUE TE TRAZ CONTENDA, LUTA
· DESLIGAR-SE DOS QUE AMBICIONAM O QUE É TEU
· DESLIGAR-SE DOS QUE TEÊM A VISÃO PEQUENA E TACONHA (POBRE, MISERÁVEL)
· DESLIGAR-SE DO PESO DA PARENTELA PARA VIVER A BÊNÇÃO DA SUCESSÃO APOSTÓLICA
EU VOLTO A BETEL RICO, COM A SUCESSÃO DE ABRAÃO, POIS:
A) tenho minha alegria em suprir a casa de deus
Gênesis 31:13 – “Eu sou o Deus de Betel, onde ungiste uma coluna, onde me fizeste um voto; levanta-te, pois, sai-te desta terra e volta para a terra da tua parentela.”
B) tenho um deus que me guarda de todo mal
Gênesis 35:1,5 – “Depois disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali; e faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da face de Esaú, teu irmão. Então partiram; e o terror de Deus sobreveio às cidades que lhes estavam ao redor, de modo que não perseguiram os filhos de Jacó.”
C) o senhor, na minha angústia, sempre me honrou
Gênesis 35:3 – “Levantemo-nos, e subamos a Betel; ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho por onde andei.”
D) nesse tempo deus me trouxe revelações e grandes livramentos
Gênesis 35:6 e 7 – “Assim chegou Jacó à Luz, que está na terra de Canaã {esta é Betel}, ele e todo o povo que estava com ele. Edificou ali um altar, e chamou ao lugar El-Betel; porque ali Deus se lhe tinha manifestado quando fugia da face de seu irmão.”
E) deus mudou os meus referenciais de vida, sou príncipe, sou israel. (sou fecundo)
Gênesis 35: 10-15 – “E disse-lhe Deus: O teu nome é Jacó; não te chamarás mais Jacó, mas Israel será o teu nome. Chamou-lhe Israel. Disse-lhe mais: Eu sou Deus Todo-Poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação, sim, uma multidão de nações sairá de ti, e reis procederão dos teus lombos; a terra que dei a Abraão e a Isaque, a ti a darei; também à tua descendência depois de ti a darei. E Deus subiu dele, do lugar onde lhe falara. Então Jacó erigiu uma coluna no lugar onde Deus lhe falara, uma coluna de pedra; e sobre ela derramou uma libação e deitou-lhe também azeite; e Jacó chamou Betel ao lugar onde Deus lhe falara”.
gênesis 17:1 – “Quando Abrão tinha noventa e nove anos, apareceu-lhe o Senhor e lhe disse: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença, e sê perfeito;”
sê perfeito, SEJA israel
Oração Profética: Eu encerro hoje este ciclo, na certeza de viver todas as palavras liberadas sobre mim e sobre minha família. Declaro obediência à palavra de Deus, aos seus mandamentos e à sua vontade, e sei que isto determinará a minha condição de riqueza e prosperidade. Como Abraão, eu possuirei toda sorte de bens e serei poderoso sobre a terra, em nome de Jesus, amém!

DEUS TE ABENÇOE...

8 de novembro de 2016

JUSTIÇA SEJA FEITA


O tema da justiça social é amplamente apresentado na Bíblia. No Deuteronômio encontramos não apenas diversas leis destinadas a regulamentar a vida do povo, mas também recomendações quanto á aplicação correta e eficaz da lei.

Não obstante a máxima de que “todos são iguais perante a lei” nem sempre é igual para todos.
Uma pesquisa realizada na Região Metropolitana do Rio indicou que cerca de 91% dos entrevistados responderam que, no Brasil, a aplicação das leis é mais rigorosa para alguns do que para todos. Apenas 8% responderam que a aplicação das leis se dá igualmente para todos.

A pesquisa revelou ainda que na visão de mais de 90% da população, os pobres são tratados pela justiça com maior rigores do que os ricos.

A cor vem em seguida como outro importante elemento discriminador. A morosidade e parcialidade são com certeza, duas reclamações que a maioria da população tem contra a justiça.

A JUSTIÇA É UMA EXIGÊNCIA DE DEUS, O JUSTO JUIZ.

Já no primeiro capitulo de Deuteronômio, encontramos a afirmação de que “o juízo é de DEUS”, (1:17). Anteriormente, conforme Gênesis – 18:25, Abraão já havia declarado a sua confiança na justiça de DEUS, a quem ele chama de “o juiz de toda a terra”.

O Salmista, por sua vez, declara: “Justo és, SENHOR, e retos os teus juízos” Salmo – 119:137.
Um dos atributos de DEUS é a justiça. E uma das principais evidências de que DEUS não suporta injustiça é a libertação de Israel da opressão egípcia. O êxodo é a intervenção direta de DEUS a favor dos oprimidos e injustiçados. Êxodo – 3:7-9, as leis dadas a Moisés por DEUS objetivavam a construção de uma sociedade justa e igualitária.

A exigência de DEUS para que haja justiça na terra tem por base o fato de que ELE é o: “DEUS dos deuses, e o SENHOR dos senhores. O DEUS grande poderoso e temível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita suborno, que faz justiça ao órfão e á viúva, e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e vestes”. Deuteronômio – 10:17,18.

Segundo Moisés, “DEUS é fidelidade, e não há NELE injustiça, é justo e reto” Deuteronômio – 32:4.

A JUSTIÇA É A BASE DE UMA SOCIEDADE ESTÁVEL E FELIZ.

Deuteronômio – 16:20, recomenda: “A justiça seguiras, somente a justiça, para que vivas, e possuas em herança a terra que te dá o SENHOR teu DEUS”. A preservação da vida e a posse da terra, como se pode ver, estão vinculadas à existência de justiça.
O profeta Isaias declara que ”o efeito da justiça será paz, e o fruto da justiça repouso e segurança”, 

Isaias – 32:17.
Quando a justiça desaparece o caos se estabelece na sociedade. Não há como negar que uma das principais causas da violência reinante no pais hoje, seja a falta de justiça social. A base para uma sociedade igualitária, estável e feliz é indiscutivelmente, a justiça.
Quando o Estado se omite no que concerne à garantia da justiça, e infelizmente isso tem ocorrido em larga escala, a paz e a tranqüilidade se vêem ameaçadas.

Paulo diz: a autoridade é ministro de DEUS para promover o bem e castigar o que pratica o mal, Romanos – 13:1-7.
No contesto de Israel, a posse da terra e a tranqüilidade para se viver, seriam resultado da justiça social. Com certeza, no Brasil também não será diferente. Enquanto não houver justiça social, continuara a existir sem-terra, sem teto, sem nada.
“A justiça e a paz se beijaram. Da terra brota a verdade, dos céus a justiça baixa o seu olhar”, Salmo – 85:10-13.

A JUSTIÇA DEVE SER APLICADA COM IMPARCIALIDADE.

O foco da atenção agora são o sistema judicial e os operadores da justiça. Tanto a passagem de Deuteronômio – 1:16,17, quanto 16:18-20, enfatizam a necessidade da imparcialidade nos julgamentos. A mesma recomendação já havia sido feita em Levítico – 19:15, o que se espera da justiça é imparcialidade,equanimidade e eficiência. Mas, infelizmente, na pratica, nem sempre isso acontece.

A pesquisa mencionada no inicio do nosso estudo reflete isso de forma transparente. E, talvez sua própria experiência reforce esta constatação.
O povo precisa tomar consciência de seus direitos. Grande parte da população os desconhece. A igreja pode desempenhar um importante papel nesta tarefa de conscientização.
A outros aspectos a serem considerados, o primeiro efeito é o de criar verdadeira casta, daqueles que dominam a linguagem e os códigos protocolares, diferenciado do povo.
O segundo efeito é o de possibilitar aos julgadores não entrarem no mérito da questão que lhe são trazidas e decidirem apenas levando em conta os aspectos formais.

Como cidadão, e acima de tudo cristãos, temos o dever de lutar contra toda forma de injustiça. Somos desafiados a buscar a construção de uma sociedade fundada sobre a reto juízo. O REINO DE DEUS é a justiça e paz, Romanos – 14:17 - porque o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo.
II Pedro – 3:13 - Nós, porém, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e uma nova terra, nos quais habita a justiça.

Abre a tua boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados. Abre a tua boca, julga retamente, e faze justiça aos pobres e aos necessitado. Provérbios – 31:8,9.


QUE DEUS NOS ABENÇOE...



14 de agosto de 2016

#VOCÊ CRÊ EM JESUS

Em uma recente pesquisa realizada pelo blog despertai, as pessoas que participaram 100% disseram que criem em Jesus. Mas como pode o mundo anda em total destruição, violência por todos os lados, pessoas pervertendo a natureza de Deus.


Jesus ele disse se cremos nele, obedecemos o seus mandamento, como podemos dizer que amamos a Deus. Se odiamos o próximo.

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” 1 João 4:20

Os Homens tem vivido no seus próprios prazeres, amados devemos viver para Deus e não para nós mesmos o apostolo Paulo fala exatamente sobre vive para Jesus, devemos entrega a vida e doá-la para ele:

Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.” Galatas 2:20

Cristo deve esta dentro de nós, o meu eu, deve ser extinto da minha vida, pois o novo viver deve ser para Cristo. O qual deu sua vida por mim e por você! Vamos deixar de vive para agradar a nós mesmos.

Por Valdeney Bastos

29 de abril de 2016

O por que de tantos problemas se a Bíblia diz que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus?

Você Pergunta: A Bíblia diz que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Se isso é verdade, por que tenho passado por tantos problemas em minha vida e por tantas decepções? Tenho chorado constantemente por tantas tristezas. As coisas não deveriam ser diferentes em minha vida, já que sou uma serva de Deus?

Cara leitora, o texto que você citou em sua pergunta está em Romanos 8:28, e diz: Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Muitas pessoas não compreendem muito bem esse texto e acham que “cooperar para o bem” significa que todas as coisas acontecerão da forma que deseja o nosso coração, da forma que nos dá mais prazer, da forma que nós planejamos, da nossa forma.

Como o texto cita que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e que são chamados de Deus, gostaria de avaliar a vida de alguns destes servos de Deus para que possamos compreender o que significa cooperar para o bem em Romanos 8:28.

(1) Deus não permitiu que Moisés entrasse na terra prometida, ainda que ele orasse com muito afinco buscando essa bênção (Deuteronômio 3:25-26). Ou seja, o bem para Moisés era não entrar na terra prometida, ainda que fosse a coisa que o coração dele mais desejasse naquele momento. Não há dúvidas de que Moisés era um servo de Deus e, mesmo assim, não obteve tudo aquilo que desejava.

(2) Deus livrou a Daniel da cova dos leões (Daniel 6:22). Vemos aqui que Deus age poderosamente em favor da vida de Daniel, livrando-o do ataque de leões ferozes, que podiam tê-lo despedaçado. Ou seja, o bem para Daniel foi ser liberto por Deus da cova dos leões. Daniel foi um grande servo de Deus e recebeu este livramento do Senhor.

(3) Deus permitiu que Estevão, homem cheio do Espírito Santo, conforme é dito a respeito dele, fosse apedrejado diante dos perseguidores da igreja de Cristo (Atos 7.59). Ou seja, o bem para Estevão foi NÃO ser liberto da morte terrível por apedrejamento. Não há dúvidas de que era um grande homem de Deus, mas mesmo assim foi morto por causa do evangelho.

(4) Deus permitiu que Jó, homem reto e temente a Deus, tivesse sua vida devastada por uma série de tragédias. Perdeu os filhos, os bens, a saúde (Jó 1.13-22; 2.1-13). Esse era o bem que Deus quis que ocorresse na vida de Jó naquele momento, mesmo que Jó não entendesse porque tudo aquilo estava ocorrendo. Mais tarde Deus restaurou totalmente a vida de Jó e ele veio a ter o dobro de tudo aquilo que tinha perdido (Jó 42.10-17). Esse foi também o bem que Deus quis que ocorresse na vida de Jó.

(5) Deus abençoou a vida de três jovens, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, e os livrou da fornalha ardente, na qual foram jogados pelo rei Nabucodonosor (Daniel 3:26). Esse foi o bem de Deus na vida daqueles três, livrá-los da morte na frente de um dos reis pagãos mais terríveis.

(6) O apóstolo Paulo foi um homem de Deus muito poderoso, que operava grandes milagres e tinha grandes visões a respeito das coisas de Deus. Porém, apesar de orar três vezes para que Deus tirasse o espinho de sua carne, Deus não o tirou (2 Coríntios 12:7-9). Esse foi o bem de Deus que cooperou para o bem da vida de Paulo.

O que quero mostrar com esses exemplos é que esse “bem” citado em Romanos 8:28 não é determinado por nós e por nossas preferências, mas pelo próprio Deus, que tem planos para cada um de nós e, ainda que passemos por tribulações diversas, os crentes verdadeiros podem confiar na direção de Deus, sabendo que Ele fará sempre o melhor para a nossa vida, ainda que isso não pareça o melhor e o mais prazeroso aos nossos olhos. Podemos e devemos sim orar, buscar, clamar ao Senhor sempre crendo na direção Dele e não na nossa.


Cabe a nós olharmos para as situações difíceis e também para as situações prazerosas, com olhos de fé, sabendo que Deus está na direção de nossas vidas em TODAS as situações, não apenas naquelas que mais nos agradam, mas também nas difíceis como fez com outros servos de Deus que citei acima.

Por: Pb André Sanchez

22 de abril de 2016

ABENÇOA-ME!

II Crônicas 24:4-14 : 04- Depois disso Joás resolveu renovar a casa do Senhor. 5- Reuniu, pois, os sacerdotes e os levitas e lhes disse: Saí pelas cidades de Judá, e levantai dinheiro de todo a Israel, anualmente, para reparar a casa do vosso Deus; e vede que apresseis este negócio: contudo os levitas não o apressaram. 6- Pelo que o rei chamou Jeoiada, o chefe, e lhe perguntou: Por que não tens obrigado os levitas a trazerem de Judá e de Jerusalém o imposto ordenado por Moisés, servo do Senhor, à congregação de Israel, para a tenda do testemunho? 7- Pois os filhos de Atalia, aquela mulher ímpia, tinham arruinado a casa de Deus; e até empregaram todas as coisas sagradas da casa do Senhor no serviço dos baalins.

8- O rei, pois, deu ordem; e fizeram uma arca, e a puseram do lado de fora, à porta da casa do Senhor. 9- E publicou-se em Judá e em Jerusalém que trouxessem ao Senhor o imposto que Moisés, o servo de Deus, havia ordenado a Israel no deserto. 10- Então todos os príncipes e todo o povo se alegraram, e trouxeram o imposto e o lançaram na arca, até que ficou cheia. 11- E quando era trazida a arca pelas mãos dos levitas ao recinto do rei, na ocasião em que viam que havia muito dinheiro, vinham o escrivão do rei e o deputado do sumo sacerdote, esvaziavam a arca e, tomando-a, tornavam a levá-la ao seu lugar.

Assim faziam dia após dia, e ajuntaram dinheiro em abundância. 12- E o rei e Jeoiada davam-no aos encarregados da obra da casa do Senhor; e assalariaram pedreiros e carpinteiros para renovarem a casa do Senhor, como também os que trabalhavam em ferro e em bronze para repararem a casa do Senhor. 13- Assim os encarregados da obra faziam com que o serviço da reparação progredisse nas suas mãos; e restituíram a casa de Deus a seu estado anterior, e a consolidaram. 14- Depois de acabarem a obra trouxeram ao rei e a Jeoiada o resto do dinheiro, e dele se fizeram utensílios para a casa do Senhor, para serem usados no ministério e nos holocaustos, e colheres, e vasos de ouro e de prata. E se ofereciam holocaustos continuamente na casa do Senhor, por todos os dias de Jeoiada.

Qual o propósito para o dinheiro que DEUS lhe dá?

Ouvimos muitas pregações e ensinamentos sobre como DEUS nos abençoará e nos fará prosperar quando lhe apresentarmos as nossas ofertas. Sabemos que o nosso DEUS suprirá todas as nossas necessidades. Sabemos que, quando contribuímos fielmente com os nossos dízimos e nossas ofertas, DEUS abrirá as janelas do céu e derramará tamanhas bênçãos sobre nós que nem seremos capazes de contê-las!

Quando contribuímos de acordo com a Sua Palavra, podemos ficar firmes na fé e usufruir essas promessas. Entretanto, o propósito de DEUS ao liberar as suas bênçãos sobre nossa vida, não é apenas nos fazer adquirir riquezas para o nosso uso pessoal.
DEUS não pretende multiplicar as suas bênçãos em nossa vida apenas para nos acrescentar posses mundanas.

O propósito de DEUS ao fazer o seu povo prosperar não é somente suprir as nossas necessidades momentâneas e sim, financiar o evangelismo para promover a colheita final de almas para seu Reino.

Financiar essa grande colheita de almas exigirá tremenda quantia de dinheiro. O mundo não financiará. É algo que compete ao povo de DEUS!

A razão pela qual transferirá a riqueza dos ímpios para as mãos dos justos é possibilitar que alcancemos os três bilhões de almas que nunca ouviram falar do evangelho!
Há muitos ministérios lutando para obter os recursos financeiros necessários para cobrir o seu orçamento e para empreendimentos de alcance mundial. DEUS nunca pretendeu que houvesse falta de recursos para a realização da obra que ELE nos chamou a fazer entre as nações, sem se esquecer das obras ligadas à sua própria região e às igrejas locais.

O seu plano é derramar a sua abundante provisão sobre o seu povo, de modo que possam usar o dinheiro para financiar a colheita do final dos tempos.
O problema é que as verbas para a colheita final foram cortadas! Os cristãos foram atacados em suas finanças e pararam de contribuir com dízimos e ofertas na casa do tesouro de DEUS.
Mas chegou o momento de DEUS destruir o espírito de pobreza, liberar seu povo das dívidas e liberar um fluxo de bênçãos sobre a nossa vida e assim realizarmos tudo que DEUS nos mandou fazer.
No Antigo Testamento, DEUS fez provisão para as necessidades de sua casa por meio das ofertas voluntárias de seu povo!
Durante o reinado de Acazias, rei de Judá, a Casa de DEUS (o templo) foi negligenciado e danificado e os utensílios foram usados em cultos idólatras. Joás, filho dele, ao assumir o trono, chamou todos os sacerdotes e levitas e pediu-lhes que aceitassem uma oferta do povo para a restauração da Casa de DEUS.
Ordenou-lhes que recolhessem o dinheiro para fazer os devidos reparos no Templo. Como os levitas demoraram a tomar as providências, o rei Joás ordenou que uma caixa fosse construída e colocada do lado de fora da porta da Casa de DEUS, perto do altar dos holocaustos.
Quando o povo ouviu a proclamação do rei Joás, atendeu-a imediatamente. Todos os príncipes e o povo se regozijaram com a oportunidade de ofertar a DEUS. Dia a dia, o povo vinha à porta da Casa de DEUS e colocava o dinheiro na caixa. Dia após dia, a caixa se enchia.
Era tamanha abundância, que havia não apenas o suficiente para os reparos na Casa de DEUS, mas também dinheiro para gastar! Usaram o restante para confeccionar utensílios de prata e ouro para ministração na Casa de DEUS.

NÃO HAVIA FALTA DE NADA.

Esse é o tipo da doação liberal que DEUS deseja que aconteça na igreja e nos projetos sociais hoje! Quando a igreja já for purificada e os cristãos começarem a dar o que ELE os ordena, a oferta com pureza de motivação, DEUS multiplicará as doações até que haja abundância.
O dinheiro que DEUS dá é um meio de ganhar vidas! É um meio de treinar os obreiros para as nações! É um meio de prover as ferramentas do ministério, para que os evangelistas alcancem as nações com a Palavra de DEUS.
Liberte-se da mentalidade do “abençoa-me”, a qual prevalece hoje na igreja (se o SENHOR me der isso, eu vou dar ou fazer aquilo); isso faz com que o povo esteja mais preocupado em receber bênção, que em usar o dinheiro para fazer a vontade de DEUS, que libere a bênção sobre as suas finanças e faça de você um dos investidores do final dos tempos.

DEUS TE ABENÇOE...

25 de janeiro de 2016

O Efeito do Pecado - Paulo Junior

“E disse ela: Os filisteus vêm sobre ti, Sansão. E despertou ele do seu sono, e disse: Sairei ainda esta vez como dantes, e me sacudirei. Porque ele não sabia que já o SENHOR se tinha retirado dele”.  Jz 16.10

Trataremos nessa mensagem de hoje sobre um dos temas mais terríveis da cristandade, porém pouco mencionado nos púlpitos atuais: o efeito do pecado, isto é, suas consequências.

Primeiramente, relembremos rapidamente o que é pecado – já que muitos cristãos hoje em dia parecem não saber o que é. Pecado é transgressão à Lei de Deus, é iniquidade, é desobediência a Deus e seus preceitos, é sair dos Seus retos caminhos e se rebelar contra Ele, quebrando sua Lei, ou seja, coisa muito comum nos dias atuais por parte dos ímpios e também para boa parte dos cristãos. Mas não trataremos hoje propriamente do pecado e sim das suas trágicas consequências. É muito importante abordar o poder letal, degradável e destruidor que tem o pecado, pois isso nos traz reflexões, consciência do perigo que corremos e, consequentemente, temor e arrependimento.

Quero usar nesse tema o personagem descrito no versículo acima, tirado do livro de Juízes: Sansão. Sansão foi chamado para ser juiz de Israel e durante vinte anos julgou Israel, sendo o responsável por guardar os israelitas e libertá-los da opressão dos filisteus. Sansão, desde sua infância possuía um voto com Deus, era nazireu de Deus (veja Nm 6.1-21), não podia ser dado ao vinho, nem à prostituição e nem navalha poderia passar sobre sua cabeça, resumindo, Sansão era separado para o ministério: como juiz, deveria andar debaixo de um conjunto de normas e regras, tendo uma conduta exemplar diante de Israel e permanecendo obediente às leis de Deus.

Infelizmente Sansão andou de forma contrária a todas as regras estabelecidas por Deus, quebrando todos os princípios. Violando de tal maneira a Lei de Deus, Sansão pecou desenfreadamente e o livro de Juízes, do capítulo 13 ao 16 descreve claramente seus inúmeros delitos: Sansão dormiu com uma prostituta, tocou no corpo de um animal morto, casou-se com uma filisteia, mentiu várias vezes e, por último, em seu relacionamento com Dalila – mulher do vale de Soreque – revelou seu segredo tendo os cabelos cortados, quebrando totalmente seu voto de nazireado.

…chamado para ser juiz de Israel… andou de forma contrária a todas as regras estabelecidas por Deus

Sansão era conhecido por sua grande força física: quando o Espirito de Deus vinha sobre ele, ele se tornava o homem mais forte da Terra: imbatível, indestrutível, intocável, pois a graça, a misericórdia e o poder de Deus estavam sobre Sansão. Contudo, houve um fator que destruiu Sansão, que o arruinou para o resto de sua vida, esse fator, esse item, foi o pecado. Gostaria agora de mostrar o efeito do pecado na vida de Sansão, pois Paulo em sua epístola aos Gálatas escreve: “tudo que o homem semear isso ceifará” (Gl 6.7). Sansão semeou pecado e veremos agora quais consequências ele colheu.

Primeira consequência: A misericórdia de Deus é retirada.

“E sucedeu que, importunando-o ela todos os dias com as suas palavras, e molestando-o, a sua alma se angustiou até a morte. E descobriu-lhe todo o seu coração, e disse-lhe: Nunca passou navalha pela minha cabeça, porque sou nazireu de Deus desde o ventre de minha mãe; se viesse a ser rapado, ir-se-ia de mim a minha força, e me enfraqueceria, e seria como qualquer outro homem”. Jz 16.16-17

Se você notar, mesmo Sansão vivendo em pecado, Deus sempre o livrava das mãos dos filisteus, como notamos em (Jz 16.9). Isso sucedeu várias vezes, porém, nos versículos 16 e 17 do mesmo capítulo vemos que a misericórdia de Deus é retirada! Dalila o molesta de tal maneira, intentando descobrir o segredo da sua força, que Sansão revela a ela, dizendo: “nunca subiu navalha na minha cabeça”. Deus permitiu que sua fraqueza fosse exposta, seu ponto fraco uma grande brecha para sua queda.

Meu querido irmão, essa é a primeira consequência daqueles que estão vivendo uma vida de pecado, daqueles que estão brincado com pecados ocultos e dizem: “Deus ainda me honra, tenho respostas de orações, recebo alguma promoção aqui e outra ali, algumas bênçãos vem sobre mim e sobre minha família, continuo subindo no altar e cantando bem ou estou diante de um púlpito pregando com eloquência, recebendo elogios e até vendo frutos.

Isso ocorre pelo que está escrito em Lamentações 3.22: “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos”. Mas, invariavelmente, uma hora a misericórdia será retirada como ocorreu com Sansão! Aí sua vergonha será exposta, seus delitos contra Deus não ficarão impunes, cedo ou tarde isso será revelado e você poderá ser humilhado e exposto como o foi o rei Davi, quando pecou com Bate-Seba. Talvez você diga: “a misericórdia de Deus é muito grande”. Sim ela é. Ele é tardio em se irar (Na 1.3), mas preste muita atenção ao que o versículo diz: “Ele é tardio”, isso não significa que Ele nunca vai se irar! Veja o que diz em Jeremias 16.13: “porque não usarei de misericórdia convosco”. Para você que está vivendo uma vida de pecados ocultos, a qualquer hora a misericórdia poderá ser retirada e você estará totalmente entregue às mãos do inimigo!

Segunda consequência: A perda de sua força.

“(…) e retirou-se dele a sua força”. Jz 16.19

Como eu havia dito antes, Sansão era conhecido por sua estrondosa força física, mas pelos seus pecados sua força se foi, Sansão ficou fraco, sem qualquer possibilidade de vencer uma luta ou guerra; Sansão estava inofensivo diante do seu inimigo: os filisteus. Agora ele tinha se tornado um homem comum: não detinha mais o poder sobrenatural que lhe confiava grande força.

Eis a segunda consequência do pecado: perdemos a força, ficamos fracos, não temos força para orar, não temos força para estudar a Palavra, não temos força para uma vida cristã saudável e, principalmente, não temos força para enfrentar o nosso inimigo: Satanás e seus exércitos. Com uma vida em pecado, não temos a menor chance contra ele! A força espiritual que nos revestia e as qualidades espirituais se foram devido ao pecado. Um dia já tivemos força, ânimo, poder, autoridade; lembra-se quando você não tinha medo de ninguém e tinha disposição para fazer qualquer coisa que dissesse respeito a Cristo e sua obra? Agora você se pergunta por que está tão fraco, desanimado, incrédulo, com anemia espiritual; às vezes você pensa que é culpa de alguém, que é o diabo que está causando essa fraqueza; às vezes atribui que é a vontade de Deus, que é um tempo ou uma fase em sua vida e nunca que se trata do efeito do pecado de uma vida cheia de brechas e engano!

Talvez possa ser isso que está tirando sua força, meu querido irmão! Não é esse nem aquele fator: é consequência do pecado! O pecado enfraquece, corrói, destrói e mina as forças de qualquer cristão conhecedor das Escrituras, mas que a transgride voluntariamente. Se você está assim: não tem força para mais nada na sua vida, mesmo sendo cristão, examine sua vida à luz da Bíblia e veja quais brechas você tem dado e em quais pecados você está envolvido.

Terceira consequência: Ausência da presença de Deus. (cap. 16.20)

“(…) Porque ele não sabia que já o SENHOR se tinha retirado dele”. Jz 16.20

É um grande erro pensarmos que Deus, por causa de Seu amor, é conivente com nossas ações pecaminosas, pois Ele não tolera o pecado e também não tolera o pecador (Na 1.3) e também Deus não tem comunhão nem caminha com ímpios (Sl 1, 2Co 6.14-16). O Espírito de Deus, a presença de Deus se retirou de Sansão, essa é a mais trágica consequência que o pecado traz sobre nós: a ausência de Deus.

Davi sentiu exatamente isso quando cometeu seus gravíssimos pecados e ele sabia o perigo que corria de ocorrer o mesmo em sua vida, quando escreveu o Salmo 51.11: “Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.” Davi sabia que uma vida de pecado, que delitos graves, conscientes, praticados contra Deus e Sua Palavra, poderiam leva-lo a ausência de Deus.

Essa é a terceira consequência: perder Sua presença. O que somos nós sem o Espírito de Deus, sem a Sua presença para nos guiar, nos regenerar, nos policiar, nos advertir? Ela é o fluxo de vida da Igreja, o fluxo de vida do cristão. Sem a presença de Deus estamos mortos, entregues a sorte, ao mundo, e aos desejos da carne. Como cegos em um mundo sem luz, completamente perdidos e sem direção: eis o que ocorre com aqueles que estão vivendo uma vida de pecado. Então te pergunto: quantos cristãos dentro da Igreja não estão em pecado? Quantos ministérios de louvor e da Palavra não estão em pecado? Quantas igrejas inteiras não têm seus alicerces fundamentados no pecado? Mas ainda prevalecem, ainda funcionam normalmente, entretanto, sem saber que sutilmente a presença de Deus já os deixou faz muito tempo.

Notem o que o versículo diz: “Nao sabia Sansão”. Ele nem percebeu, tinha se tornado insensível, carnal, não diferenciava mais o santo do profano, assim é a vida de muitos cristãos. Estão regendo suas vidas e ministérios na emoção, na carne, no intelecto. Só que tem outra questão importantíssima, que eu não poderia deixar de abordar: se há ausencia de um espírito, há a presença de outro! Não ficamos sozinhos, vazios. Se o Espírito de Deus sai, o espírito do mal entra, assim Satanás e seus demônios passam a dominar aquela pessoa.

Veja o exemplo do rei Saul: “E o Espírito do SENHOR se retirou de Saul, e atormentava-o um espírito mau da parte do SENHOR.” (1Sm 16.14). Essa consequência é inevitável. Agora eu te pergunto: será que você que está escondendo todos esses pecados, transgredindo a Lei de Deus diariamente não está tendo a sua vida e o seu ministério regidos por Satanás? Meu Deus do céu, que condição execrável se encontra tal homem, tal mulher, tal denominação, que estão edificando Sião com sangue e Jerusalem com iniquidade! (Mq 3.10)

Quarta consequência: Cegueira.

“(…) Então os filisteus pegaram nele, e arrancaram-lhe os olhos”. Jz 16.21

Os filisteus vêm, vazam os olhos de Sansão e os arrancam, deixando-o totalmente cego. Essa é a quarta consequência: cegueira. Uma pessoa que vive na prática do pecado não tem mais discernimento espiritual, não sabe mais por qual caminho anda, não sabe quando houver decisões a tomar quais serão as corretas, fecham negócios errados, “batem cabeça” de um lado para o outro, tem atitudes incoerentes, pensa estar fazendo o bem, quando na verdade está fazendo o mal!

Veja o que diz Provérbios 14.12: “Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte”. Será que você não está assim: caminhando por veredas que aos seus olhos são saudáveis, no emprego, no relacionamento, no que diz respeito à Igreja, mas na verdade está em completa cegueira, cavando covas nas quais você mesmo cairá? Será que você não está magoando pessoas, ferindo sua família, oferecendo fogo estranho no altar do Senhor e achando que tudo isso é correto, que tudo isso é benefíco e que Deus ainda está te aprovando?

Sinto te dizer: se você estiver vivendo uma vida de pecado, é exatamente assim que a sua vida se encontra! Você não pode dar crédito a si mesmo! Como se fiar em um cristão conhecedor da Lei que ao mesmo tempo é transgressor da mesma?! Tal pessoa, tal crente, não é digno de confiança, nem é digno de em si próprio confiar, pois a quarta consequência de uma vida de pecado é a cegueira.

Quinta consequência: Ficar amarrado.

“(…) e amarraram-no com duas cadeias de bronze (…).” Jz 16.21

Depois de cegar a Sansão, os filisteus o tomaram e amarraram com duas cadeias de bronze, anulando assim qualquer movimento extenso de Sansão. Essa é a quinta consequência: uma vida amarrada, limitada, atrofiada.

Será que sua vida não está assim? Todas as áreas emperradas: casamento em crise, filhos rebeldes, dívidas por todos os lados, doenças, nada anda bem, você se sente totalmente amarrado, portas fechadas, o “não” passou a ser seu companheiro. Você atribui isso ao governo, à economia, põe e culpa no diabo, nos familiares, xinga, murmura, blasfema e esquece de pensar: talvez tudo isso é efeito dos meus pecados, de uma vida cristã relaxada, desregrada?

Note uma coisa: uma pessoa amarrada não está totalmente impossibilitada de fazer as coisas. Tal pessoa possui ainda alguns movimentos: ela pode andar, mexer as mãos, a boca, os olhos, porém, as cadeias de bronze são pesadas, ela está atada, ela tem seus movimentos limitados! Dessa forma é a vida de uma pessoa amarrada: ela não deixa de fazer nada, entretanto, todas as suas ações e áreas da sua vida são limitadas. Não consegue concluir nada que inicia, nem ter progresso e sucesso nos seus projetos, pois está amarrada.

Outro detalhe importante: as cadeias são de bronze, são impossíveis de ser quebradas pela força humana, necessitam de uma força sobrenatural para serem quebradas, mas como o pecado retirou essa força – a presença de Deus – essa pessoa jamais conseguirá se libertar. Isso implica que, por seus pecados, essa pessoa está condenada a uma vida cristã sofrível, arruinada e infeliz.

Sexta consequência: Escravidão.

“(…) e girava ele um moinho no cárcere”. Jz 16.21

Depois de ser acorrentado, Sansão foi colocado em uma prisão, numa masmorra, foi condenado a ficar ali trabalhando num moinho. Essa é a sexta consequência: o pecado nos faz escravos, pois Pedro diz: “(…) Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo”. (2Pe 2.19).

Sansão foi vencido pelo pecado, se tornou escravo dele, sujeitando-se aos seus moldes, ao seu domínio e ao seu poder destruidor. Também se tornou escravo de outro inimigo, porque estava no cárcere dos filisteus, era então prisioneiro dos filisteus, escravo deles, estava sujeito às suas ordens e vontades. Dessa maneira ocorre na vida daqueles que vivem em pecado: se tornam escravos do nosso inimigo, o diabo. E querendo ou não, sabendo ou não, estão sujeitados a sua vontade! Você já parou para pensar que consequência trágica ser escravo do diabo, depois de ter a liberdade em Cristo, depois de ter acesso ao sangue da nova e eterna aliança que veio do Calvário, depois de gozar da redenção e da verdade que liberta (Jo 8.32) se tornar de novo escravo de Satanás, voltar para suas garras maléficas, como isso pode ser possível? A resposta você sabe: pecado.

O diabo é legalista, atua usando princípios da Lei de Deus, quando a quebramos, por mais que Deus seja misericordioso e perdoador, a quebra contínua e voluntária dará autoridade para Satanás nos tocar e nos dominar. Essa então foi a sexta consequência do pecado ilustrada na vida de Sansão.

Como, então, evitar todas essas consequências?

Você que está lendo deve pensar: “que mensagem dura, que pavor veio ao meu coração ao ler isso, pois me identifico com muitas coisas que estão aqui escritas, o que devo fazer então”?

Se você foi confrontado pela Palavra de Deus, como todo homem deve ser, se ela trouxe luz e revelação daquilo que você está fazendo e pela Palavra você viu que é pecado e que todas essas consequências estão ocorrendo em sua vida, só há uma maneira de anular o efeito do pecado; é o arrependimento. Veja o que diz Provérbios 28.13: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia”. Confessar nossos pecados, arrepender-nos dos mesmos, pedir a misericórdia do Senhor, foi isso que Sansão fez – completamente desnorteado e destruído pela força descomunal do pecado ainda houve solução para Sansão – em Juízes 16.28 ele clamou ao Senhor dizendo: “Senhor Jeová, peço que te lembre de mim, esforça-me agora, só essa vez”!

Sansão com essa frase – e com o tempo sofrido de cárcere – mostra arrependimento. A força de Sansão volta novamente, então ele abraça as duas colunas do templo dos filisteus e as derruba, matando todos os filisteus daquele lugar. Quer dizer que você sabe que Sansão se arrependeu e foi perdoado? Sim, pois ele é citado em Hebreus 11.32 na galeria dos heróis da fé!

Esse é o caminho meu caro leitor: deixe sua vida de pecados, antes que seja tarde demais, antes que não haja mais remédio, antes que você seja exposto e envergonhado e colha consequências irreversíveis a você e a sua família, pois o salário do pecado é a morte (Rm 6.23).

Você pode estar correndo o risco de ser fulminado pelo pecado aqui nesta terra e ainda padecer a eternidade no inferno! Não estou dizendo de um deslize, de uma fraqueza momentânea que todos nós estamos sujeitos, estou dizendo de uma vida na lama do pecado, estou dizendo de pecados maquinados, premeditados.

Lembre-se do que diz a 1João 1.9: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”. Para aqueles que confessam e se arrependem há perdão de Deus, há sangue suficiente para te purificar, há graça abundante sendo derramada sobre você, da mesma forma que foi com o filho pródigo, que arrependido voltou ao lar e foi completamente restaurado e perdoado (Lc 15.11-32). Como Paulo escreveu para aqueles que estão em Cristo, que são nascidos de novo: “Porque o pecado não terá domínio sobre vós”. (Rm 6.14).

Paulo Junior
Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © DESPERTAI COM CRISTO | Suporte: Mais Template